segunda-feira, 24 de julho de 2017

NUS POR BAIXO DA ROUPA - PARTE II

Visualizar












por John Veltheim
Delinquência em menores

A partir do momento em que as crianças começam a pensar negativamente sobre o seu corpo e a
considerar os seus órgãos sexuais como algo ruim, ficam preocupados com esses aspectos negativos. As pessoas têm uma tendência natural de se concentrarem no que é negado. Quando uma criança tem uma atitude negativa em relação ao seu corpo, haverá uma tendência para pressionar. A atitude negativa do corpo combina com uma auto-imagem distorcida e baixa auto-estima, resultando numa tendência à auto-sabotagem com o uso de drogas, exploração sexual, e de ter atitudes rebeldes que levam à delinquência. Muitos estudos têm mostrado que pessoas que tenham sido educadas em famílias nudistas com atitudes saudáveis​​, tendem a ter um respeito muito maior para com os seus corpos, e são muito menos propensos a serem apanhados em sistemas abusivos, tais como álcool ou drogas. (Veja - "'Growing up without shame (Crescer sem vergonha)" de Dennis Smith e Dr. William Sparks.)
O aspecto sexual é muito importante. Filhos adolescentes com os hormônios em fúria e que foram educados com atitudes negativas sobre o corpo e mentalidade, rapidamente distorcem a sua sexualidade. O desejo sexual é a maior força que as pessoas têm. A natureza garantiu a sobrevivência das espécies, dando aos seus elementos uma sexualidade forte e saudável. Quando um impulso tão forte é distorcido, reprimido, e confuso, o que eles vêm é um comportamento anormal a manifestar-se. A criança fica obcecada com o sexo oposto e com a própria sexualidade. Eles começam os relacionamentos com o sexo oposto com uma atitude de concorrência - vencedores e derrotados. O sexo oposto é ameaçador e o sexo é uma forma de conquista.
A criança inteligente tem uma curiosidade natural e saudável em torno do seu corpo e do corpo dos outros. Quando esta curiosidade natural é suprimida e distorcida, os problemas ocorrem. Além disso, quando a curiosidade é conotada com sentimentos de ser impertinente, eles associam a culpa com a sua curiosidade e desejo de aprender sobre as coisas da vida. Isso se irá refletir em todos os outros aspectos da sua vida, incluindo na busca geral do conhecimento e compreensão.
Crianças criadas num ambiente de nudismo tendem a se relacionar mais facilmente com seus pares, e passam pela adolescência com o menor trauma possível. Eles têm uma atitude mais saudável para si e para com os outros. Estatisticamente, eles se adaptam a estudar e aprender de forma mais eficaz, e têm uma incidência significativamente menor de abuso de substâncias, problemas com a lei, e de delinquência juvenil.

Nua por baixo da roupa

Um caso na história

Janice e o seu marido Gary arrastavam-se ao longo do caminho aparentemente interminável para essa praia. O seu coração batia forte, ela sentia-se enjoada, prestes a desmaiar. Medo, culpa e o pânico a oprimiam e ainda não tinha um sentimento intuitivo e profundo que de alguma forma este "remédio" prescrito pelo seu médico iria funcionar.
A receita era ela e o seu marido, Gary, irem para esta praia de nudismo, despirem-se e passarem pelo menos uma hora nus misturando-se com os outros nudistas. Janice poderia, então, voltar para casa quando ela quisesse. Por que é que algo de tão simples estava a sufoca-la com reações emocionais tão fortes?
Aos 33 anos de idade, Janice e Gary eram ambos profissionais moderadamente bem-sucedidos, com uma boa casa, sem filhos e um casamento infeliz. Janice sempre foi doente ao ponto que a doença estava ameaçando até a sua capacidade para trabalhar. Ela tinha dores de cabeça tensionais diárias, asma, dores nas costas, cólicas estomacais e náuseas depois de comer e os seus ciclos reprodutivos estavam um caos. O álcool aliviou a dor, mas não as depressões. Ela estava realmente a viver o 'lado escuro' da sua vida e tinha muito poucos amigos para conversar.
Depois de muitos especialistas e exames, ela decidiu visitar um médico altamente recomendado que pratica uma medicina alternativa. Após a consulta, o Dr. Bill decidiu examiná-la fisicamente e pediu que ela se despisse e ficasse só em cuecas e sutiã. Quando voltou descobriu que Janice tinha retirado o vestido, mas ainda tinha quatro saiotes, collants e o vestido clínico fornecido na recepção. Quando o Dr. Bill indicou de que iria precisar de ver mais do seu corpo para realizar um exame físico, a resposta reactiva e quase hostil, foi que ninguém podia ver o seu corpo.
Além disso a conversa com o médico revelou que, mesmo a Gary foi negado esse privilégio. Nas muito poucas ocasiões em que fizeram amor (palavras dela - "tinham sido perversos") ela manteve-se coberta com os lençóis e de camisa de dormir, a luz apagada, e a camisa foi levantada apenas o suficiente para o acto ser realizado.
Janice era alguém com que era fácil falar e inteligente. Tornou-se evidente através da conversa com Janice e Gary que os aspectos negativos da nudez, as roupas e o corpo eram o maior bloqueio na sua vida. Ela estava desesperada para ficar melhor e tinha o total apoio de Gary. A sua escolha terapêutica foi entre muita longas e esgotantes sessões de terapia que muitas vezes se prendiam na dialética cerebral e a sua outra escolha - peru frio.
Janice e Gary debateram-se até chegarem à praia. Nesse ponto, eles podiam ver cerca de 200 pessoas nuas. A pior parte era que muitos deles estavam naquele momento a jogar jogos de praia. Pelo menos metade eram crianças felizes. Janice não foi capaz de desabotoar os botões do vestido. Gary teve de despi-la. Quatro saiotes, meias e tudo! Janice disse mais tarde que realmente pensava que ia ter um ataque cardíaco. Gary
despiu-se, com alguma dificuldade, e começaram a andar (porque não poderiam ter ficado parados, sem desmaiarem).
Quarenta e cinco minutos depois, Janice e Gary estavam jogando vólei de praia com um grupo de pessoas nuas. Eles ficaram o dia inteiro, voltaram no dia seguinte, e agora são visitantes regulares. Desde esse dia, Janice não teve mais uma forte dor de cabeça ou dor nas costas. Todos os aspectos da sua saúde melhoraram dramaticamente. O seu casamento é sólido, a vida sexual prolífica (compensando o tempo perdido) e sua carreira está em ascendente. A sua descrição mais tarde foi que de repente ela se sentiu liberta dentro do seu corpo, e estava finalmente, em contato com sua verdadeira força da vida. Pela primeira vez na sua vida, ela era um ser sensual sem se sentir culpada!
Caso de Janice foi um exemplo extremo do que muitas pessoas passam com o condicionamento distorcido que a nossa sociedade lhes deu enquanto crianças. Somos ensinados que o corpo humano é vergonhoso. Estamos, então, condicionados a usar as nossas roupas como uma máscara para o esconder. O uso contínuo dessa máscara, eventualmente, leva à nossa identificação com ela. Nós realmente acreditamos que somos a máscara. Em vez da roupa ser algo que usamos para proteção, por diversão, para provocar ou adornar os nossos corpos, muitas vezes usamo-la para tentar enganar os outros a acreditar que somos algo que não somos e, em seguida, acreditar no fingimento nós mesmos! Esta artificialidade é reconhecida intuitivamente e faz-nos sentir sufocados pelas falsidades da vida. Legalmente, não podemos remover a máscara das roupas, por isso olhamos para outros ideais como doença, neuroses, e sensação de indulgência.

Sensualidade

O aspecto trágico deste cenário é que as pessoas também negam a sua sensualidade. Sensualidade é a força enérgica primária que “move e agita” o corpo. O chi (ki, prana) que as pessoas ouvem falar em acupuntura e artes marciais é simplesmente outra manifestação de sensualidade. Um fluxo saudável de sensualidade determina a saúde geral, a vitalidade, a sexualidade, e sentimentos de bem-estar. Embora, em última análise é mais profundo do que isso, o corpo nu é uma metáfora para a nossa sensualidade. A nudez simboliza abertura, liberdade e sensualidade, melhor do que qualquer outro processo cognitivo.
As pessoas não têm de ficar nuas para colher os benefícios de se estar nu. Há situações, onde é impossível ficar nu por causa do tempo, por motivos sociais e por restrições legais. Podemos, no entanto, estar "nus por baixo das nossas roupas."
Estar nus sob a nossa roupa vai muito além do âmbito da sensualidade. É uma atitude perante a vida. Uma constante recordação de que a vida flui muito melhor quando nos abrimos para isso, mentalmente, emocionalmente e energicamente.
Existe uma troca de energia constante entre as pessoas. Em indivíduos 'saudáveis' existem mecanismos de dar e receber onde a nossa própria energia flui para as pessoas ao nosso redor, e então nós, por sua vez, absorvemos a energia dos outros. Isto é bastante necessário para equilibrar os sistemas de energia do corpo por causa da variedade de energia que podemos absorver.
As pessoas que estão desligadas e fechadas para o mundo, causam um “curto-circuito” no sistema e energicamente se isolam do mundo. O seu sistema de energia estagna e começa a manifestar “mal-estar” dentro do sistema. Evidentemente, há muitas outras razões para as manifestações de “mal-estar”, mas esta não deve ser ignorada. Mesmo que as pessoas não levem isso tão longe e se concentrem apenas no óbvio enérgico e na inanição interativa dos nossos relacionamentos, eles vão encontrar diminuições dramáticas na qualidade de vida, no crescimento pessoal e na sensação de bem-estar.

Bioenergética do naturismo

É bem conhecido que existe um fluxo muito forte de energia através do corpo, e que o corpo é feito de energia de muitas formas e frequências. As frequências mais lentas são a energia física dos músculos, ossos, tecidos, etc. À medida que essas frequências aumentam elas passam através do espectro de sangue, linfa, impulsos nervosos, canais energéticos, chakras, auras, etc.

Acupunctura

Chi (Qi) é o nome dado às frequências de energia específicas que correm ao longo dos “meridianos” (vias) no corpo. Esta energia é utilizada pelos acupunturistas e por outras terapias de saúde para influenciar os seus pacientes. O fluxo de chi é um componente muito importante da função do corpo. Um fluxo saudável de chi promove um saudável sistema nervoso, vasos sanguíneos, drenagem linfática, etc.

O efeito da roupa sobre o fluxo de energia

Muitas experiências interessantes têm sido feitas sobre o efeito que a roupa tem sobre o fluxo de Chi no corpo. Durante anos, como diretor do Brisbane College of Traditional Acupuncture and Natural Therapies na Austrália, muitas experiências foram realizadas utilizando equipamento altamente sensível que poderia monitorizar e medir o fluxo de Chi ao longo dos meridianos. Uma agulha de acupuntura pode ser inserida num ponto para demonstrar o efeito que tem sobre os níveis de energia em outras partes do corpo ao longo desse meridiano por onde fluiu. Por exemplo, uma agulha inserida logo abaixo do joelho num ponto chamado estômago 36, iria demonstrar um aumento do fluxo de energia ao longo de todo o meridiano do estômago, correndo ao longo da perna, através do estômago, para dentro do peito, e até aos olhos. Estimulando a agulha pode efetivamente ajudar a equilibrar, e curar, um distúrbio no estômago (tal como uma úlcera do estômago), ou talvez aumentar o fluxo de energia para os olhos e melhorar a visão. Algumas experiências interessantes demonstraram o seguinte:

Quando um paciente estava nu e tinha a agulha estimulada, houve um fluxo mensurável de energia - vamos chamá-lo de 100 unidades. Se essa pessoa, então, usava cuecas de nylon enquanto esta experiência estava sendo feita, e a agulha estava sendo estimulada, o resultado final eficaz do fluxo foi de uma redução do fluxo de energia de até 60%. Experiências repetitivas demonstraram que se um paciente usasse cuecas de nylon ao receber tratamentos com acupuntura, o paciente precisaria de duas vezes mais tratamentos para obter os mesmos resultados. [Roupa interior de algodão reduziu o fluxo em 20%.]

O corpo como um campo elétrico

A superfície da pele é um campo elétrico que está constantemente em interação com o nosso ambiente e com os nossos sistemas internos do corpo. O sistema nervoso é outro conjunto de circuitos elétricos. Os dois combinam-se para criar diferentes potenciais elétricos que podem ser facilmente medidos. Este potencial elétrico é alterado pela influência de diferentes tipos de roupa. Roupas sintéticas acumulam uma carga estática no corpo de tal modo que quando um pedaço de metal é tocado, a pessoa recebe um choque. Os profissionais que trabalham com terapia bioenergética têm descoberto que a estática tem efeitos prejudiciais sobre a rede elétrica do corpo que, por sua vez, afeta a saúde.

Pausa diária nua

Usar roupas, particularmente roupas sintéticas, tem um efeito prejudicial sobre o potencial elétrico do corpo e da capacidade do Chi do nosso corpo fluir livremente. De um ponto de vista bioenergético, a roupa assimila o stress para o corpo com um efeito acumulativo. É importante permitir ao corpo tempo para normalizar - dar-lhe algum espaço para respirar livremente - para que possa equilibrar o fluxo elétrico em toda a pele. É por isso que é tão essencial para nós ter um período de tempo por dia sem roupa.
Muitos de nós temos notado que as tensões do dia podem ser diminuídas de forma dramáticapor estar debaixo do chuveiro ou sentado dentro de água. Existe um efeito duplo aqui. Um deles é a remoção da roupa para permitir que a energia flua mais livremente. O outro, é que a água corrente tem o efeito maravilhoso de neutralizar os bloqueios energéticos, e desativar a carga eléctrica. O corpo também pode neutralizar-se simplesmente por estar nu, sem a interferência elétrica e física das roupas.
É por isso que um período em que se esteja totalmente nu/ nua, por dia é tão importante. Quanto maior o período melhor. Os nossos corpos precisam de uma oportunidade para recarregar, revitalizar e se libertarem. O efeito acumulativo de vestir roupas sintéticas, restritivas e apertadas ao longo dos anos corresponde a um aumento dramático nos níveis de stress, de envelhecimento acelerado e de saúde reduzida.

O efeito das roupas de banho

Quando as pessoas, saem para apanhar sol usando roupas de banho sintéticas, existe um acumulativo efeito negativo. Em primeiro lugar, uma carga de eletricidade estática acumula-se a partir do material, interferindo com os circuitos de energia e irritando a pele. Então o sol ao bater no corpo cria um diferencial de temperatura entre o local onde a roupa está, e onde ele está atingindo a pele nua. A combinação do diferencial da temperatura, a carga eletrostática obtida por meio da fibra sintética, e o fluxo perturbado da Chi nessa zona, cria variações elétricas que podem ser muito prejudiciais para a pele. Objetivamente, vemos que a área em torno da roupa de banho é onde nós nos queimamos mais facilmente. Existe uma faixa onde a roupa de banho se encontra com a pele que é a primeira área a ficar vermelha, queimar, e até ficar com bolhas. Isto parece ser um resultado da interferência criada por estas cargas elétricas.
Isto também tem um efeito generalizado sobre toda a pele. Quando o potencial elétrico da pele e a sua função é altamente perturbada numa qualquer parte do corpo, ela irá ter ramificações sobre o resto do corpo. É convicção do autor de que esta é uma das razões pelas quais os nudistas tendem a ter menor incidência de cancro de pele do que o público em geral. (Isto foi extensamente relatado) Basta só olhar para as pessoas de uma praia de nudismo para ver que há uma menor incidência de pessoas com queimaduras solares, o que seria normalmente esperado em praias têxteis. Estatisticamente, tem sido mostrado que os nudistas manifestam uma menor incidência de cancro da pele não obstante o fato de que eles estão mais tempo ao sol, que a totalidade do seu corpo é exposta, e que eles geralmente usam menos cremes solares. Se esta evidência afeta a incidência de cancro da pele, obviamente vai afetar muitas das doenças de pele.
A pele é o maior órgão do corpo e com uma relação muito complexa para o corpo. Se algo de errado acontecer com a pele isso terá ramificações para a saúde geral de todo o corpo. Também tem sido mostrado que estes efeitos ocorrem mesmo com peças muito pequenas de vestuário. Um biquíni pequeno ou de fio-dental cria um problema tão grande como se o biquíni fosse grande, porque a faixa de fibra sintética na pele resulta na mesma situação. Por isso, não importa se você usa um biquíni ou uma só peça, isso irá na mesma ter um efeito prejudicial na saúde e um aumento na carga de stress sobre o corpo.
As observações do próprio autor envolvem uma longa história pessoal de doenças de pele e tendência genética para o cancro da pele. As minhas numerosas manchas, desenvolviam círculos brancos em seu redor e começavam a ficar pretos sempre que eu apanhava sol, a menos que eu usasse uma grande quantidade de protetor solar. Eu descobri que sempre que eu ia a praias de nudismo com a mesma quantidade de sol, e muito menos protetor, o efeito oposto ocorria. Eu bronzeava-me em vez de me queimar, e as minhas manchas progressivamente desapareceram como resultado de bronzear natural, em comparação com os banhos de sol com roupas. Recentemente, vivi em partes da América onde a roupa é obrigatória nas praias e meus problemas de pele começaram a voltar! Devido ao risco de saúde envolvido, eu fico relutante em nadar em praias onde eu não possa ficar nu.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

05 DE JUNHO 2017 - DIA INTERNACIONAL DO NATURISMO


Esse ano comemoramos no dia 05 de junho o Dia Internacional do Naturismo. Numa pesquisa mais detalhada das datas comemorativas no site http://www.calendarr.com/brasil/datas-comemorativas-2013/ não encontraremos nenhuma menção com relação a essa data. Iremos encontrar o dia do carteiro, aposentado e até dos animais, menos do Naturismo. Tenho a sugestão de trocar essa data para 30/01 que é o Dia da Não-Violência. Sim, porque desconheço um movimento mais pacífico; inclusive onde as guerras se instalam o Naturismo desaparece, ele só sobrevive num ambiente de paz, de fraternidade e de respeito.


O problema do Naturismo é a falta de conhecimento do que representa esse movimento, até mesmo os mais letrados e intelectuais não encontram informações nas suas bibliotecas, arrisco dizer que muitos praticantes também precisam de algumas aulas. A bem da verdade todos nós precisamos parar um pouco para aprender observar a natureza, o simples ato de meditar ajuda; a questão é: Como parar num mundo caótico e maluco em que vivemos? Observem como é grande o número de pessoas correndo para cima e para baixo e afirmo que não chegam a lugar algum, se tornou um hábito.

Algumas pessoas me dizem: “é preciso coragem para tirar as roupas”, o que demonstra como a sociedade condicionou o indivíduo a ficar distante da sua própria natureza. Alguns naturistas têm medo de se assumir diante dos seus familiares, buscam a liberdade, mas não a conquistam. Chega perto, mas não abre as portas do coração. Assim Budha fez a seguinte declaração: “Olhe para o seu coração, siga a sua natureza”. Isso sim que é preciso coragem, porque a liberdade conquistada não o fará pervertido, mas um ser humano mais responsável.

Excesso de bebidas e consumo de drogas não é uma questão de auto-controle, e sim da infelicidade que o ser humano carrega dentro de si. “Sigmund Freud, depois de quarenta anos de pesquisa sobre a mente humana, trabalhando com milhares de pessoas e observando milhares de mentes perturbadas, chegou à conclusão de que a felicidade é uma ficção, o ser humano não pode ser feliz”. Se ele não pode ser feliz com a liberdade que o Naturismo pode lhe proporcionar, que é a liberdade mental, é porque não compreendeu a essência e a riqueza desse estilo de vida. Ainda não compreendeu que para se intitular como um naturista o pré-requisito não é somente com relação à nudez, mas também o respeito pelo espaço do outro.

Se o Naturismo coloca o homem integrado com a natureza, também o deixa não fragmentado, seu olhar para com o outro será como se visse no espelho. Os espaços individuais deverão ser constantemente respeitados e a vida se manifestaria harmoniosamente. E se tivermos a percepção que essas mudanças são realmente possíveis iríamos comemorar o dia o Naturismo junto com o Dia Mundial da Terra, o Dia Mundial da Água, Dia do Amigo, e muitos outros dias mais.

Vejo que podemos ser agentes de profundas transformações, assim sempre faço a sugestão aos grupos naturistas dedicarem uma pausa nas atividades para realizarem momentos de reflexão sobre o Naturismo em muitos dos seus contextos. Tenho a convicção de que tal prática aliada às realizações de palestras, apresentações teatrais, leituras e debates deveria constituir uma prática constante para o crescimento individual e grupal.

Tivemos nesse fim de semana em São Paulo um bate-papo sobre esse estilo de vida, com a presença do Vice-Presidente da Federação Brasileira de Naturismo, Leonardo Spínola de Miranda e me pareceu um resultado bastante satisfatório. Naturistas ainda têm dúvidas para que serve a Federação. É preciso ser entendido que o Naturismo está inserido no campo social no qual também somos dependentes, seja no trabalho, estudo, relações familiares etc. Se não tivermos uma instituição forte o bastante para provar que a nudez possui benefícios na saúde física e psicológica, estaremos condenados a um bando de depravados e outros atributos preconceituosos. A Federação é um órgão normativo que dá respaldo para que a sociedade passe, no mínimo, a ter um olhar diferente, com mais respeito. Os índios não precisam da Federação porque a nudez deles já era natural e a nossa estamos ainda conquistando, ou seja, estamos desconstruindo falsos valores colocados na nossa formação.

Essas ações deverão ser estendidas para àqueles que desejam conhecer o Naturismo que ainda está de fraldas, todos nós podemos nos doar um pouco mais para que essa criança tenha dignidade. A própria sociedade irá requerer um dia para que o Naturismo seja lembrado do ser humano no seu estado natural, livre dos preconceitos e em paz com seus semelhantes.


Evandro Telles






terça-feira, 23 de maio de 2017

NUS POR BAIXO DA ROUPA - PARTE I


por John Veltheim
Prefácio











O nascimento deste artigo foi fácil. O período de gestação, no entanto, mediu muitos anos. Nos anos de prática clínica de John, ele tornou-se ciente do abismo que, na maioria das pessoas, parecia separar a mente do corpo. O abismo resultante de séculos de ditames sociais sobre códigos morais e éticos de comportamento. Ditames que deram origem à rejeição do homem actual do que é mais natural e mais bonito - o corpo humano. Sua motivação veio de ver as limitações que as pessoas impuseram a si próprias e, como resultado, à sua saúde.
A sua inspiração para a escrita deste texto veio de observar a transformação dos pacientes e alunos que escolheram fazer a ponte sobre o abismo de doutrinações. Pessoas que optaram por investigar a sua necessidade de roupas, o seu medo da nudez e o despudor a que a aceitação incondicional dos códigos morais, os foram submetendo.
Esta não é uma cartilha sobre a desobediência civil, antes um olhar sobre o que fazemos no que diz respeito aos nossos próprios corpos, o que não nos permitirmos fazer e porquê. Houve inúmeros expoentes da importância do nudismo, e do relacionamento saudável para a nudez. De antigos místicos indianos e filósofos gregos a grandes pensadores contemporâneos, tais como Wilhelm Reich e Carl Jung, a nudez tem sido abordada em profundidade, mas as suas palavras caíram muitas das vezes em ouvidos surdos e, largamente encontraram mentes ofendidas pelo medo.
Lalla, a lendária mística mulher do século 13 de Caxemira, na Índia, talvez tenha descrito da melhor maneira a potencial alegria e sacralidade que estamos negando a nós mesmos, quando escreveu:

Dança, Lalla, com nada se não o ar.
Canta, Lalla,
Vestindo o céu.
Olha para este dia brilhante!
Que roupa poderia ser tão bela ou
mais sagrada?

Este artigo pode contestar as atitudes e crenças, mas pede apenas que entretenha as ideias e sugestões com uma atitude de investigação. O percurso de John na medicina chinesa, metafísica e nas artes marciais proporcionou-lhe o benefício de uma visão única sobre a qual se apresentam as suas observações. Ele pinta um quadro muito impulsionador dos benefícios do nudismo. Mais importante ainda, saímos do texto seguinte cientes de que é um assunto que está a ser tratado e que deveria há muito ter a devida consideração e acção pública.
Alegria pessoal e paz interior são duas boas razões para ler este texto, pois o seu propósito é claramente explorar um dos reinos que nos oferece tanto.

Esther Veltheim - Dezembro 1994

A psicologia do corpo

Progressivamente, ao longo dos séculos, a sociedade desenvolveu o uso de roupas como uma máscara. O vestuário foi originalmente usado e projectado para proteger as pessoas contra os elementos do calor e do frio, contra possíveis queimaduras ou congelamento. Também foi usado como um método de adorno para melhorar a atractividade e para razões rituais e cerimoniais. Nos últimos séculos, as pessoas desenvolveram uma dependência cultural da roupa. As vestes tornaram-se uma máscara e um adereço de suporte para tapar falhas, muitas vezes percebidas, de personalidade e de caráter.
Nós, frequentemente nos cruzamos com pessoas que nem mortas seriam vistas sem a sua roupa. A roupa é muitas vezes usada para retratar uma imagem que é diferente do que a pessoa é na realidade. É uma forma de artificialidade ou mascaramento que exteriormente serve para encobrir personalidades ou defeitos emocionais que as pessoas pensam que têm. As pessoas tendem a sentir que, escondendo-se atrás de roupas podem cobrir-se metaforicamente e negar aos outros a exposição ao eu interior. A necessidade de fazer isso ocorre mais em pessoas com baixa auto-estima.

Moda

Este processo está sendo incentivado pelos excessos culturais das revistas de moda numa indústria com um interesse monetário muito forte na promoção da roupa. Este interesse industrial especial, cria a crença de que a roupa é um elemento essencial à própria vida, ao invés de um auxiliar prático e divertido, e o mal é que muitos aceitam isto cegamente. A pessoa média pensa na roupa como uma das necessidades da vida que transcende a mera protecção e se expande para o reino do caráter, personalidade e auto-estima.


Culpa
                         
Em consonância com essa tendência existe uma tendência paralela para associar automaticamente a nudez à actividade sexual. Muitas religiões indicam a actividade sexual como um pecado, e por associação, optam por ver a nudez como um pecado também. Algumas religiões usam este argumento como uma forma de manipular as pessoas para se sentirem culpadas pela nudez, e pessoas culpadas então acham que precisam da igreja para perdoá-las. Além disso, as pessoas que se sintam culpadas podem ser facilmente controladas por qualquer autoridade. Pessoas vibrantes, saudáveis​​, livres de culpa e com a auto-estima elevada são tradicionalmente muito difíceis de 'gerir' ou de controlar pelas igrejas ou governos. Através da combinação das influências acima referidas, muitas sociedades criaram leis para tornar ilegal o que muitos acham natural.
Quando é que é errado ficar nu? Um bebé recém-nascido nu não é considerado errado ou mau. Com que idade esta criança torna-se má? É aos 18 meses ou quando eles já têm três anos. Uma criança de dois anos nua na praia é geralmente considerado normal e inofensivo. Então, quando é que uma criança já não é uma criança? É aos quatro anos de idade ou aos dez anos de idade? Pessoas com problemas com a nudez, muitas vezes, dizem que é quando eles atingem a idade escolar, ou seja, por volta dos cinco anos de idade. Com este conceito, podemos deduzir que uma criança nua na praia com 4 anos 364 dias 23 horas e 59 minutos é uma criança saudável com uma boa atitude para com a vida. Um minuto depois, quando a criança faz cinco anos, é de repente uma criança impertinente, pecaminosa porque ele / ela ainda está nu / nua! Este conceito é obviamente uma farsa.

Auto-estima

A criação desta atitude absurda, muitas vezes surge devido a questões de baixa auto-estima, desenvolvidas numa idade muito jovem. As crianças são influenciadas por ambientes que produzem muitas atitudes negativas sobre si mesmas. É-lhes dito, directamente ou através de determinadas acções, que eles não são perfeitos, não são amáveis, não são bons o suficiente, são impertinentes, etc. Como adultos, eles sentem a necessidade de camuflar estas ditas insuficiências na personalidade e no carácter, e muitas vezes são criadas uma série de atitudes e crenças para compensar essas deficiências. Eles também desenvolvem uma série de máscaras para tentar cobrir algumas fraquezas. Por exemplo, uma pessoa que se sinta no fundo frágil, muitas vezes coloca uma máscara de uma personalidade "difícil" e adota uma postura agressiva.
As roupas são usadas continuamente neste processo, a pessoa fraca usa muitas vezes vestuário poderoso ou agressivo. A pessoa 'atrevida' veste roupas desenhadas para dar-lhe aceitação e fazê-lo parecer "bom". A pessoa não amada tenta mostrar que ele / ela não se importa e usa roupas rebeldes e 'inaceitáveis'. A pessoa "culpada" retrata-se com roupas 'puras' com a atitude de 'santinho'.
As pessoas que não se aprovam, no fundo também se cobrem tornando-se juízes dos outros. Eles sentem que, puxando alguém para baixo, eles estão trazendo essa pessoa para baixo para o seu nível. Eles garantem que sempre vestem a roupa "certa" para cada ocasião para que eles não sejam mal julgados. As pessoas que odeiam ser julgadas são as pessoas que tendem a fazer julgamentos elas mesmas.
Todo este processo é lamentável, porque as pessoas que pensam que têm uma baixa auto-imagem, acham que o que estão a esconder não é o seu eu verdadeiro. É simplesmente uma outra máscara num nível profundo. O verdadeiro eu encontra-se abaixo de um conjunto de sistemas e de crenças que são ensinadas em criança. Em situações onde as pessoas são capazes de "descascar" as máscaras externas e expor o verdadeiro eu, sempre encontram alguém de que eles gostam e em que se sentem bem.
Nós nascemos puros, amáveis e inocentes. Quanto mais cedo pudermos voltar a ter contacto com isso, mais cedo podemos experienciar a alegria da vida. A única razão, pela qual não vivemos a abundância total da alegria, da segurança, do amor, e da paz é porque resistimos activamente àquelas coisas que são nossas por nascimento. Nós resistimos, criando máscaras que agem para nos separar de nossos verdadeiros eus interiores e separar-nos da abundância.

Desligar

Quando as pessoas usam roupas como um meio de se desligarem do mundo e cobrem-se de modo a que o mundo não consiga ver a sua destorcida auto-imagem interior, elas criam uma tragédia de proporções imensas. Quando se escondem atrás das roupas, as pessoas fecham o seu corpo energicamente e psicologicamente. Um corpo saudável tem a sua energia, o sistema nervoso, e as forças da vida a fluir livremente por todo ele. Ao desligar psicologicamente e fisicamente, a energia do corpo é desligada, distorce e flui de forma anormal. Isto provoca grandes alterações no crescimento espiritual, emocional, mental e físico.
Um sistema de energia reprimido torna-se inflexível e rígido. Isto é facilmente perceptível nas atitudes inflexíveis que encontramos tantas vezes na nossa sociedade, bem como a tendência da raça humana para desenvolver corpos rígidos, inflexíveis e artríticos.

Interagir com a vida

Fechar e isolar a sua energia também tem um efeito dramático na sua capacidade de se relacionar com as outras pessoas e com o mundo. Houve muitos livros que recentemente demonstraram que somos sistemas de energia que constantemente interagimos com todos os sistemas de energia do nosso ambiente. Nós alimentamo-nos da energia do mundo que nos rodeia. Até 40% do nosso consumo de oxigênio é através de nossas peles, (menos o que sufocamos através das roupas sintéticas e excesso de maquilhagem!) Indivíduos saudáveis ​​obtém uma grande percentagem da sua energia através da sua pele a partir da atmosfera, das árvores, plantas e de toda a natureza. (As pessoas carentes também extraem energia de outros seres humanos como parasitas.) Isto também envolve uma troca de energia saudável. Nós tiramos e damos energia. A nossa capacidade de fazer isso depende da abertura e da flexibilidade dos nossos sistemas de energia.
Quando as pessoas se desligam psicologicamente e fisicamente, especialmente através da metáfora da necessidade das roupas para se esconderem do mundo, não estão apenas a esconderem-se das outras pessoas, elas escondem-se do mundo. Eles bloqueiam a troca de energia e reduzem a vitalidade total disponível para eles. Eles também prejudicam a sua capacidade de se relacionarem e interagirem com o mundo. Essa interacção é um critério essencial para qualquer organismo saudável. Todas as células, animais, plantas e seres humanos sobrevivem de acordo com suas inter-relações com o mundo à sua volta. Quando as pessoas se isolam, elas prejudicam a sua capacidade de crescerem e de processar o mundo como deveriam.

A necessidade da roupa

Há muitas maneiras de se isolar e encerrar o processamento da vida. Um método proeminente é o desligar através da necessidade da roupa. Não é o uso das roupas que é o problema, é a necessidade das roupas - quando não se pode fazer sem roupa, porque precisa de uma máscara.
As pessoas dizem: "não me preocupa se eu tiver as minhas roupas ou não." Isso é óptimo se realmente for verdade. Como se sentiria realmente se fosse nu / nua para o trabalho ou se ficasse nu / nua em público? (Assumindo que seria legal fazê-lo.) Qual seria o impacto sobre si? Qual seria a sua preocupação sobre a maneira como as pessoas iriam julgá-lo? Precisamos de olhar muito atentamente quanto à possibilidade ou não da nossa roupa ser uma forma de nos mascarar e de nos proteger emocionalmente.

Enfraquecimento

Esta máscara, este encobrimento, esta utilização das roupas para nos desligarmos, enfraquece-nos. A sociedade está muito cheia de pessoas impotentes que dão a responsabilidade financeira aos gestores e aos banqueiros. Também entregam as responsabilidades da saúde aos médicos, as responsabilidades emocionais aos seus cônjuges e enfraquecem-se constantemente afastado as responsabilidades em muitos aspectos diferentes da sua vida. Mais grave ainda é a forma como as pessoas encerram a sua própria capacidade de interagir na vida, tirando a energia e a vitalidade do seu ambiente, e enfraquecendo-se apesar das suas carências para as máscaras da roupa.

Mente e saúde

A mente é uma influência muito poderosa sobre a sua saúde. É geralmente aceite na psicologia que muitas doenças são criadas através das suas atitudes mentais em relação ao seu corpo e a nós mesmos. Infelizmente, a nossa sociedade cultiva uma atitude negativa para com os próprios corpos que tentam manter saudáveis. Muitas crianças são criadas a acreditar que o seu corpo é perverso e que deve ser coberto - algo de que se envergonhe. Isto cria uma marca duradoura sobre o eu interior e a psicologia da personalidade. Pensamentos distorcidos como este podem acompanhá-lo por toda a vida a menos que você procure activamente corrigi-lo. Na verdade, ele pode terminar com a sua vida muito mais cedo!

Stress

O efeito negativo de ter vergonha do nosso corpo, vai afectar a nossa imagem de nós mesmos e ser uma fonte constante de stress. A imagem negativa do corpo pode ser considerada uma causa importante de tensão na nossa sociedade. Isto terá uma profunda influência sobre o funcionamento do corpo e da sua capacidade de se manter saudável porque altos níveis de stress são um factor significativo predisponente à doença. Isto pode ser visto particularmente em crianças que são compradas com atitudes corporais distorcidas. A muitas crianças, estão a ser actualmente receitados tranquilizantes.


sábado, 29 de abril de 2017

A SIMPLICIDADE DO NATURISMO



O Naturismo é tão simples que chega a se tornar muito complicado para muitas pessoas, isso porque o ego rejeita o fácil, quer sempre o mais difícil. Até mesmo os problemas devem ser maiores do que os dos outros, alguma coisa é preciso para ser maior e melhor. É assim que começa toda a forma de competição e domínio, mas também um dos mais preocupantes desequilíbrios psicológicos. O indivíduo que se sente inferiorizado diante dos outros quando galga posições de comando, tendem a ser autoritários e ditatoriais.

Se considerarmos a psicologia humana, esse texto será insuficiente para contemplar maiores detalhes sobre a nossa natureza. Tento aqui mostrar o papel relevante e a simplicidade da prática do Naturismo como agente que neutraliza a inferioridade individual. Por outro lado, mexe com as mais diversas estruturas pessoais, será necessário repensar em muitos valores que foram assumidos como verdadeiros, sejam de ordem pessoal ou social.

O homem é um processo constante. Alguma coisa está sempre acontecendo, está sempre a beira do acontecimento. O homem é uma excitação, uma aventura, uma peregrinação. (1)  Não sabe quem ele é, está sempre buscando. Para a prática do Nudismo/Naturismo ele questiona a religião, sua conduta dentro do seu conceito moral e até a ciência têm que atestar as suas crenças. Exemplo disso foi a visita em nosso país do cientista Michael Behe defendendo a teoria do “Designer Inteligente” que diz: Se há o relógio deve haver o relojoeiro. Ficou pior, quem criou o relojoeiro? O próprio Darwin já tinha virado a mesa e feito uma derrubada devastadora dessa teoria. (2)

Não seria mais fácil dizer que não sabemos e continuar a busca? A beleza e o encanto estão justamente na simplicidade e na humildade de reconhecer o que não sabemos. O homem não é um produto acabado, ele é um ser aberto. Tudo é possível, mas nada é certo, não pode ter definição (1). Não é a certeza o que importa, é justamente a dúvida que nos move para aprender novos caminhos, são os nossos questionamentos que nos torna mais humanos.

Viver naturalmente implica em abandonar as roupagens que a sociedade nos coloca, os preconceitos e a inferioridade não podem coexistirem no meio onde os indivíduos possuem mentes livres, nenhum regime político autoritário poderia conviver com o Naturismo. Não deveríamos defender esse estilo de vida em todos os segmentos sociais?

É possível que o problema maior seja a nudez, será? O grupo o qual freqüento permite que o visitante passe um dia mesmo vestido e nunca tivemos algum que se propusesse a vir para conhecer o que representa o Naturismo, está faltando na praça o tipo que questiona e sobrando os meros repetidores. Sobra informação falta conhecimento, muitos em seus celulares e internet com mentes dispersas a tudo que lhes rodeia. “Conhecimento numa mente dispersa é como uma semente infértil” (3).

Isso é preocupante na medida em que os nossos jovens poderão ser facilmente dominados por um discurso bonito, mas não terão a percepção da tirania que terá por trás dele. O distanciamento da leitura, a massificação do intelecto sem os devidos questionamentos e a falta de um contato mais íntimo com a natureza, tem provocado distanciamento do jovem com o Naturismo cuja filosofia defende o respeito e a dignidade do corpo. Provavelmente a culpa seja nossa... Seria bom pensarmos seriamente nisso.

Dr Gerald Crabtree da Universidade de Stanford (EUA) mostra em sua teoria que os humanos estão perdendo sua capacidade intelectual e emocional (4), não estamos formando jovens questionadores que induz ao pensamento crítico e pressione a evolução dos genes. Uma mente livre não pode ser dominada por algo que a maioria acredita ser uma verdade, não é isso que nos tornará melhores e sim a nossa atitude de respeito com as nossas diferenças naturais. Justamente isso é o que o Naturismo defende e tão difícil de entender com a sua simplicidade.

Evandro Telles
29/04/17

(1)   Osho – The Perfect Máster – discurso nº 10
(2)   Richard Dawkins
(3)   Augusto Cury – O Colecionador de Lágrimas


domingo, 19 de março de 2017

PARA QUE DEFINIR NUDISMO/NATURISMO?






A maioria das entrevistas em que participei, uma das primeiras perguntas é: O que é Nudismo/Naturismo? Só me resta repetir o que é de consenso “Um modo de vida em harmonia com a natureza....”. Tudo bem, e o que é natureza? Nada podemos dizer. Isso acontece porque o ser humano está inserido na natureza e ele não pode se auto definir. Por esse motivo William Welby em 1935 no seu livro “A Verdade Nua Sobre o Nudismo” diz que “embora o Nudismo tenha recebido uma boa publicidade, é difícil defini-lo da mesma forma que o Socialismo ou outros “ismos”.

José Wagner de Oliveira (João Pessoa-PB) uma vez me disse que Nudismo/Naturismo é uma ciência, realmente é, uma ciência biológica. Como também é uma vivência, um comportamento. A universalidade da ciência também se aplica ao Nudismo/Naturismo e como o corpo no nível científico não cabe diferenças, a vivência Naturista também não pode haver separatismos de qualquer espécie tipo: homens solteiros e casados, heterossexuais e homossexuais, crenças religiosas, e por aí vai. Isso representa valores que a sociedade determina como reais e não são.

No XV Congresso Brasileiro de Naturismo realizado em Guarapari nos dias 03 a 05 de fevereiro de 2017, foram eleitos o Presidente e Vice Presidente para dirigir a FBrN Federação Brasileira de Naturismo dois homens solteiros, Pedro Ribeiro e Leonardo Spínola de Miranda respectivamente. Isso reflete que o Naturismo nesse país está amadurecendo já que algumas áreas ainda só permitem homens acompanhados. Acho que agora terão que rever tal procedimento e reconhecer que se trata puramente de um preconceito sem nenhum fundamento e totalmente em desacordo com a filosofia naturista.

O Nudismo surgiu em primeiro lugar como um meio de adquirir saúde, novamente William Welby faz a comparação da pele com as plantas, ambas necessitam de luz e ar, se deixarmos as plantas em lugares escuros sem ventilação podemos observar os efeitos lastimáveis que acontece com elas. A ciência moderna descobriu que a pele tem funções bem mais importantes, extensivamente exploradas no livro “Tocar – O Significado Humano da Pele” de autoria de Ashley Montagu. Os benefícios da pele exposta não estão restritos à saúde do corpo, mas também tem efeito benéfico do lado psicológico; o sentimento de liberdade, inerente à nossa natureza, melhoria na auto estima são também resgatados.

Em 18/10/2012 escrevi o artigo “Naturismo Não é Um Conceito Definido” que está no 3º livro “Naturismo Um Corpo Não Fragmentado pág. 104 já tinha dito que tudo que diz respeito ao comportamento humano não pode ser definido, então não perca tempo com isso, tempo precioso para refletirmos sobre nós mesmos, meros turistas às vezes esquecendo de apreciar a viagem.

Refletir sobre o Nudismo/Naturismo é um caso de amor, amor com a Natureza. Por falar em “amor” isso também não pode ser definido, então qual objetivo de buscar definições? O importante é viver intensamente.

Evandro Telles
07/02/2017